Ei, você.

"(...) Ei, você tem alguém assim, que te faz melhor, que te faz sorrir, alguém que você pode dizer 'eu não seria a mesma sem a sua passagem na história da minha vida, baby!', alguém que mesmo sem saber, muda seu dia quando aparece e se some, muda também, alguém de conversa fácil, de presença, alguém que não precisa fingir pra ir embora e nem pra ficar, alguém que sabe teus defeitos, alguém admirável, alguém que vai dizer 'deu tudo errado, vamos de novo?', alguém que vai sorrir enquanto desce as escadas e dá de cara com a tua cara amassada depois de um dia louco e vai pensar que 'cê' tá linda, apesar disso, porque estar vivo é uma beleza, alguém que não vai conseguir dizer isso com palavras, mas em silêncios, alguém que conhece tuas falas, tuas memórias e teus esquecimentos, alguém que guarda muito bem as tuas melhores lembranças pra depois, alguém que sempre muda, mas não muda nunca, que não se muda pois mora dentro do seu coração, você tem alguém assim?"

Desperdício

Todas as pessoas que amou, a rejeitaram de alguma forma, a disseram não, a evitaram, a dividiram, a deixaram ou a obrigaram a partir, a decepcionaram, a feriram, perderem sua lealdade, seus sentimentos mais bonitos, desperdiçaram seus sorrisos esperançosos com esperas infindáveis e desculpas insinceras, quantas vezes seu riso apareceu e desapareceu em seguida, achava ter chegado a hora, mas ainda não, ainda não, quantas vezes foi ao céu e voltou, quedas rápidas, marcas profundas, cicatrizes para sempre, tatuagens na alma, marcada como ferro quente.
Quanto desperdício sentir demais.
Quanto desperdício escrever sobre isso, ninguém vai ler... 

À mesa, Júlio Cortázar

"(...) Suas feições distantes me atraíram como ímãs -, como sempre essas coisas me atraem fácil -, ele trazia um livro dos grandes em baixo do braço, tinha uma alma livre eu supunha antes mesmo de saber que sim, era mais velho, tinha alguns anos a mais do que pensei, era ator de teatro e escrevia peças e poemas, além de ser palhaço.

Como (o) descobri?

Após servirmos nossos pratos, compartilhamos a mesa na hora do almoço e ele se apresentou, estávamos num restaurante pequeno e meio que estava lotado e nos obrigava a dividir o momento da refeição com um desconhecido, mas dessa vez foi um prazer.

Nos olhamos de modo estranho e repetido, antes mesmo de nos sentarmos, ainda nos servindo, lembro bem, acho que nos escolhemos como companhia para aquele almoço, antes mesmo de qualquer coisa. Eu me interessei sim, pelos seus olhos negros, distantes e meio que felizes, não sei dizer o porquê, mas era o que sentia. Até que encontrei uma mesa no canto -, à direita para quem estivesse de entrada -, era uma única mesa de dois lugares no estabelecimento e ele me olhou como quem perguntava, posso? Eu sorri, ele pôs seu grande livro em cima da mesa, descansou o prato e os talheres rapidamente e foi atrás de alguma coisa para beber, acabamos dividindo a coca-cola e depois de algumas colheradas na refeição, ainda com nossos silêncios, um gole da bebida, ele percebeu meus olhos na capa do seu livro:
_Júlio Cortázar, escritor argentino, conhece? Meu preferido. Pode folhear as páginas se quiser.

Aquele homem parecia que lia a minha mente, também não seria algo tão difícil ali, era a minha vontade desde o princípio, abrir aquele livro e cheirar as páginas, até conseguir ler tudo deliciosa e vagarosamente, um pensamento instantâneo para o momento, mas apenas folheei as primeiras e estava tudo em espanhol. Ele percebeu minha estranheza com a língua em algumas palavras.
_Leio em outra língua para aprendê-la. Exercito a escrita, a pronúncia e a compreensão das expressões, é fácil depois que começa. Leia algum trecho pra nós.

Ele sorriu, não de modo debochado, mas de modo empático, e repetia que no começo tinha sido assim, assustadoramente novo, mas também,  muito bom e me corrigia algumas vezes, entre uma frase e outra, enquanto falava de si mesmo, assim eu soube as suas histórias.

Jamais esqueci aquele dia. Nos despedimos sem nomes e ele entrou para minha lista de 'jamais nos encontramos'. Não lembro o título do livro, mas lembro do nome do escritor claramente, como se o lesse agora, Júlio Cortázar e lembro dos olhos daquele homem, cheios de novidades vendo a novidade em mim, uma boa memória para se escrever agora. Sorri."
.

Esse cara tem cara de encrenca

"(...) Você tem cara de encrenca, rapaz, mas eu não sou do tipo que corre do desafio, até gosto, ainda mas se ele tem esse par de olhos e morde o lábio inferior desse jeito, entre um riso e outro. Foi logo de cara, na lata, um interesse, um apreço, um desejo, não houve tempo para uma segunda opinião e eu sei que posso até demorar pra entender o que foi esse furacão, mas eu não quero entender mesmo. Espere, pelos meus beijos mais quentes, pelos meus afagos sinuosos, pelo meu amor total, vou guiar você. Acabo de entrar numa encrenca, das grandes, eu sei, mas quem não enfrenta grandes batalhas, meu bem, não chega a ser vencedor."
.
#Trecho #RoteiroBreve

Vida curta

"(...) A vida é curta, então ela nos diz: deixa que alguém aproveite os momentos inéditos ou repetidos com você, deixa alguém descobrir teus defeitos e te querer por perto assim mesmo, deixa alguém saber sobre a tua rotina, sobre os teus delírios, sobre tuas graças, tuas danças, tuas piadas ruins, tuas dores, deixa alguém chegar perto, dentro, deixa alguém entrar ao bater na porta do teu coração quase desistente, deixa alguém segurar tua mão e confia, sem ironia, sem força. 'Alguém precisa conhecer você, você precisa conhecer alguém. O mundo precisa conhecer você, você precisa conhecer o mundo, garota! Deixa.' Ouvi uma fala, era a vida."
.
#Trecho #RoteiroBreve

Estrelas

"(...) Algumas pessoas são como estrelas cadentes, lindas, fugazes e sempre de passagem. Meu erro foi querer guardar teu brilho, estrelas não brilham pra sempre."

Dias bons

"(...) São dias bons porque você está. Ganho uma carona até onde eu quiser - sua garupa já seria o lugar aonde eu queria estar mesmo -, as mãos dele seguram as minhas e as posicionam na sua cintura, precaução para as curvas sinuosas no caminho, seus olhos de farol iluminam a estrada da minha vida normal e simples, o tempo passa junto com a velocidade, sinto-o pouco, sinto-o muito, o vento traz o seu cheiro, olho no retrovisor, uma atenção invejável. Com o capacete, vejo apenas o suficiente, seus olhos, concentrados, determinados. Ensaio uma conversa quando paramos no primeiro sinal vermelho: 'Pergunta aonde quero ir', e ele diz 'Aonde?', então eu me entrego 'Vou a qualquer lugar nessa garupa, rapaz. Escolha bem nosso destino' e então ele deu partida pra felicidade."
.
#Trecho #RoteiroBreve

Um casal

"(...) Enxergo um casal, vai ser longa a viagem, estão apaixonados, bem ali, na minha frente, palavras ditas ao pé do ouvido, sorrisos faceiros e qualquer um é capaz de sentir a sintonia e a intimidade dos dois, todos olham atentos, todos ao redor sentem o mesmo, mas ninguém fala nada. É bonito de ver, de ouvir também, estou perto demais, ele elogia o sorriso dela, a beija na testa, nada de escândalo, mas nada escondido, sabe? Você percebe. Ela arruma os cabelos pro lado, são longos, procura um espelho na bolsa, coloca um batom, ele a beija sutilmente e diz que é pra tirar, que ela não precisa de batom, precisa de beijos, mas ela não tira, ele sorri: '_Com batom, ok'. O caminho segue romântico, ouço suspiros, ouso dizer que é um amor recente, são jovens. Chegou minha parada, acabou a cena, eles ficam, descem depois ou não descem nunca, não há ponto final pro amor. Para uns, a viagem longa é castigo, pra outros, deleite." #BomDia!
.
#Trecho #RoteiroBreve
 
Breves Roteiros © Creative Commons 2010 | Plantilla Quo creada por Ciudad Blogger